quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A moda na década de 1940

Nesta década, dá-se o apogeu seguido do fim da Segunda Guerra Mundial, ocorre o lançamento da bomba atómica em Nagasaki, Gandhi é assasinado por um extremista hindu e é aprovada, em 1948, a Declaração dos Direitos Humanos pela ONU.

Depois da queda de Paris sob mãos alemãs, as regras de racionamento restringiam a quantidade de tecidos que se podiam comprar e usar no fabrico de roupas, pelo que, além da "reciclagem" de peças de vestuário, também o uso de materiais alternativos (a viscose e as fibras sintéticas) permitiram o salvamento da moda, durante os anos de guerra.
Com o encerramento de muitas casas de moda francesas, e depois da tentativa frustrada do regime nazi em tornar cidades como Viena capitais da moda, a moda passou a reflectir influências vindas da América. Da mesma forma como tinha sucedido durante a Primeira Guerra Mundial, as mulheres eram obrigadas a trabalhar; como tal, as roupas tinham carácter utilitário e eram inspiradas nas fardas militares. Com restrições a nível da quantidade de tecido usado, presença de ornamentos nas peças de vestuário e mão-de-obra usada, as roupas eram muitas vezes feitas em casa.
 Mulheres usando roupas populares em tempo de guerra, que permitiam o uso da bicicleta.

O look icónico da época é sem dúvida o conjunto saia/casaco, além da saia-calça, que realçavam o busto e a cintura.
Nesta década, a tendência ditava o uso de cinturas finas, saias com pregas finas, presas por penses, blusas justas, chapéus (por vezes substituídos por turbantes) e luvas; as saias tinhas pormenores como um bolso falso, que lhes conferia maior volume. A forma dos ombros era quadrada e as calças compridas, ambos de corte masculino, lembrava as fardas militares. As saias voltaram a encurtar e vestidos que imitavam conjuntos de saia e casaquinhos abotoados popularizaram-se; os sapatos tinham aspecto pesado e masculinizado e de couro brilhante: incluíam o modelo plataforma (mais usado por se desperdiçar menos material) e as socas de madeira (estas últimas foram bastante usadas por Carmen Miranda). Com o preço da seda a aumentar, os collants foram substituídos por meias tipo soquete. As malas à tiracolo eram também muito usadas pelas mulheres.

 Look icónico da década de 40 - o conjunto saia/casaco
 
 Look anos 40, com especial atenção para o casaco estilo militar e o uso de socas

 Carmen Miranda, um ícone da época
Devido à falta de cabeleireiros, os cabelos passaram a ser usados mais longos, presos por grampos ou modelando-os em cachos. O lenço, usado no cabelo, tornou-se bastante popular nos tempos de guerra.


 
Exemplos de penteados usados na época

Com o fim da Guerra, a moda apresentava agora uma tendência para o luxo e para a nostalgia. O corte masculino foi abandonado e substituído por um visual que valorizava as formas femininas.
Com o objectivo de ressuscitar a alta-costura, em 1947, Dior lançou a sua colecção intitulada "New Look", que marcava uma forte oposição ao modo de vestir dos anos de guerra. As saias eram agora amplas de cintura fina, as blusas eram estruturadas (os ombros e os seios adquiriam formas naturais) e usavam-se sapatos altos, luvas e chapéus grandes. Um vestido chegava a gastar 25 metros de tecido, e as curvas femininas eram exageradas. Foi um visual que gerou alguma controvérsia na época, devido ao uso de roupas íntimas com barbatanas e tecidos engomados que acescentavam volume à silhueta.


Silhueta característica do "New Look" de Dior

Modelo "New Look", anos 40/50
Foi ainda no final desta década que o prêt-a-porter, trazido dos Estados Unidos, começava a competir no mercado com a alta-costura. No final da Guerra surgiam então as bases de uma alta-costura independente e de uma indústria de moda em prêt-a-porter direccionado para as massas.


Próximo artigo: a Moda da década de 1950 - a época de feminilidade. Não percam!

3 comentários:

Anónimo disse...

Gostei do artigo . . . mas so um conselho nao te concentres tanto na moda que usava.se ha mil seculos atras, concentra.te tb na agr . . . bjs

A Flor disse...

Pessoalmente adoro estes artigos da moda antiga, porque afinal, para perceber o presente é preciso conhecer o passado. Tenho a certeza que muitas "fashionistas", se conhecem-se a história da moda arranjavam conjuntos bem giros.

Há que não esquecer que nos anos 40, exactamente por não haver tecido para os collants (já que eram usados para fazer para-quedas), algumas mulheres desenhavam uma risca pela perna acima com carvão para imitar a costura das meias; outras esfregavam saquinhos de chá usados e molhados nas pernas para dar o efeito dos collants!

Vânia disse...

É exactamente por isso que decidi escrever estes pequenos artigos; eu acho que é importante mostrar às novas gerações que muito do que se usa hoje em dia resulta de influências do que já foi moda no passado.

No fundo, não se pode viver o futuro, sem conhecer o passado.

Por lapso, acabei por me esquecer desses pequenos truques que eram muito usados naquela época, pelas mulheres. Obrigada por te teres lembrados deles e da sua importância, Flor.